Loading...

terça-feira, 1 de julho de 2014


Crimes Ambientais Financiam Grupos Terroristas, dizem ONU e Interpol.

Levantamento foi divulgado na Assembleia Ambiental da ONU, no Quênia.
Ilegalidades relacionadas ao meio ambiente movimentam US$ 213 bi/ano.

Da France Presse



O crime ligado ao meio ambiente, que movimenta US$ 213 bilhões anuais, contribui para o financiamento de grupos armados e terroristas e ameaça a segurança e desenvolvimento de vários países, declararam a ONU e a Interpol em um relatório publicado nesta terça-feira (24).

O tráfico de carvão gera entre US$ 38 milhões e US$ 56 milhões ao ano aos islamitas shebab somalis, ligados à Al-Qaeda, segundo o relatório. O documento é publicado no segundo dia da sessão inaugural da nova Assembleia da ONU para o meio ambiente (UNEA), que reúne cerca de 1.200 delegados e especialistas em Nairóbi e que deve, entre outros temas, discutir a questão dos crimes contra o meio ambiente.

Já o comércio de marfim é a principal fonte de renda do Exército de Resistência do Senhor (LRA), a rebelião de Uganda que se espalha o terror no Sudão, República Centro Africana e República Democrática do Congo (RDC). Também praticado por outros grupos armados e milícias que operam na República Centro Africana, RDC e Sudão.

Ameaça ao desenvolvimento sustentável
O crime organizado transnacional ligado ao meio ambiente inclui o corte ilegal de madeira, a caça furtiva e o tráfico de numerosas espécies, a pesca ilegal, as minas selvagens e resíduos tóxicos, explicam a ONU e Interpol.

"Além do dano ambiental imediato, o tráfico de recursos naturais priva as economias em desenvolvimento bilhões de dólares em receita para encher os bolsos dos criminosos", ressalta Achim Steiner, diretor-executivo do Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas (UNEP).

De acordo com a ONU, este tráfico ameaça em muitos países "o desenvolvimento sustentável, os meios de subsistência, a boa governação e o Estado de direito, enquanto grandes somas chegam às milícias e grupos terroristas."

"Apesar do aumento da consciência, as respostas atuais em termos de impacto estão longe de ser proporcionais à escala e crescimento da ameaça à vida selvagem e meio ambiente", alertam a ONU e a Interpol.

Sem comentários:

Enviar um comentário