Loading...

quinta-feira, 24 de julho de 2014


Seis Monstros Criados por Humanos Através da Seleção Artificial

Publicado em 15./07./2014

A seleção artificial, também conhecida como reprodução seletiva, é uma boa maneira de dizer que os seres humanos têm guiado a evolução de outros animais até se tornarem verdadeiros mutantes. Esses 6 animais que você vai ver a seguir são exemplos dessa interferência na consagrada seleção natural, realizada por ninguém menos que a mãe natureza.

O curioso é que as histórias desses mutantes oferecem uma perspectiva um tanto fascinante sobre como a evolução funciona. E, além disso, a diversidade que ela proporciona é realmente incrível. Você verá uma variedade surpreendente de cores, formas e bicos, tudo impulsionado por esse fenômeno artificial. Algumas dessas mudanças são funcionais, é verdade. Mas, em compensação, outras são (francamente) monstruosas. Por exemplo:

1. O Pombo-de-Budapeste

<img src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/07/pombo-838x471.jpg" alt="pombo" width="838" height="471" class="aligncenter size-large wp-image-125187" />
Sabe aquela história de que existe gosto para tudo nessa vida? Essa com certeza é uma delas. Porque, acredite se quiser, essa raça de pombo sem bico é, para algumas pessoas, uma das mais belas raças de pombos que existe (se é que existe alguma coisa como um pombo bonito). Gostos à parte, o Pombo-de-Budapeste é resultado de algumas décadas de intensa seleção artificial de um pássaro com um bico essencialmente inexistente/abaulado, olhos brancos e um crânio pequeno.
Mas não foi só a aparência desse pássaro que teve a mão de seres humanos. Seus criadores também selecionaram seu comportamento de voo, priorizando aves que se viravam para trás durante o voo ou na tentativa de voar. Embora os pombos não sejam a espécie mais diversa do mundo em termos de aparência, os criadores ao longo dos séculos conseguiram controlar tudo, desde a cor dos olhos até o tamanho da prole da ave para alterar a aparência desta espécie.

2. O canário de Gibber Italicus

<img src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/07/ave.jpg" alt="ave" width="410" height="541" class="aligncenter size-full wp-image-125188" />
Mais uma vez, alguém fez isso de propósito. Como os pombos do item anterior, esses canários foram criados seletivamente por algumas centenas de anos. Nesse tempo, os criadores chegaram a um pássaro com uma bela voz para cantar e centenas de variedades. Porque, sim, os criadores, por meio da seleção artificial, podem controlar tudo. Desde a formação do esqueleto, o número de penas e sua dureza (de penas muito duras, como essas do pássaro na foto, a penas macias muito macias), com o comprimento e estilo de canção do pássaro.

3. A galinha depenada

<img src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/07/galinha.jpg" alt="galinha" width="600" height="744" class="aligncenter size-full wp-image-125189" />
Galinhas fazem parte da vida dos seres humanos há um longo tempo. Nesse tempo, conseguimos provocar algumas mudanças bastante espetaculares nesses animais. Mas talvez a mais estranha seja essa monstruosidade sem penas que você pode ver na imagem acima. Pela primeira vez, a ciência tem uma sólida compreensão de por que esse pássaro tem essa aparência. Enquanto o embrião está se formando, a pele não consegue se formar corretamente, e não crescem penas, escamas ou esporas.

4. O cão de Rhodesian Ridgeback (ou leão-da-rodésia)

<img src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/07/cao-838x1117.jpg" alt="cao" width="838" height="1117" class="aligncenter size-large wp-image-125190" />
À primeira vista, este cão parece incrivelmente comum. Ele tem pelos normais e nada de olhos esbugalhados. Na verdade, a seleção artificial operou nessa raça para fazer com que ela se tornasse bastante funcional. Criados especificamente para caçar leões africanos, esses cães são grandes, rápidos, fortes e têm excelente visão. Infelizmente, e de acordo com a necessidade humana de adicionar um pouco de talento inútil, este cão tem um único problema muito sério: a raça recebe esse nome estranho por conta de uma das suas características mais distintas: uma crista de cabelo que cresce na direção oposta ao longo de suas costas.
Muito legal e inofensivo, certo? Errado.

Esse bolinho de pelo é causado por uma deformidade de desenvolvimento, que pode deixar um buraco pequeno e profundo na pele do cão. Esse buraco, chamado de seio dermóide, pode atingir todo o caminho na coluna vertebral do cão. Isto essencialmente deixa o tecido nervoso delicado e exposto a bactérias e doenças, e, se infectados, os cães podem se tornar uma ameaça.

5. O peixe “olho de bolha”

<img src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/07/peixe-838x628.jpg" alt="peixe" width="838" height="628" class="aligncenter size-large wp-image-125193" />
Esse peixinho também tem um longo relacionamento com a humanidade. Esta espécie tem sido criada especificamente para ornamentação, levando a uma incrível variedade de formas e tamanhos estranhos. O mais bizarro de todos é esse com olho de bolha. Nele crescem enormes sacos cheios de líquido. Essas bolhas podem desinflar eventualmente, mas isso não muda o fato do peixe ter olhos malformados, uma espinha curvada severamente e nenhuma nadadeira dorsal.

6. A Cabra de Damasco

<img src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/07/cabra-838x544.jpg" alt="cabra" width="838" height="544" class="aligncenter size-large wp-image-125192" />
Ironicamente, esta raça de cabra rotineiramente ganha o título de “Cabra Mais Bonita do Mundo” em competições de cabra do Oriente Médio. Acredita!? Bom, não é novidade para ninguém que a beleza é um parâmetro extremamente relativo. No caso dessas cabras, a beleza pode até ser relativa, mas é fato que elas foram criadas para serem assim. Por meio do processo de seleção artificial, elas foram selecionadas para ter narizes extremamente curtos e mandíbula inferior avantajada – algo como o moderno Bulldog Inglês.

Não está claro o que exatamente provoca esta mutação extrema. Outra mutação incomum em cabras domésticas causa “desmaios”, que são, na verdade, períodos de rigidez muscular extrema provocados quando elas levam algum susto. Esta condição, chamada miotonia congênita, é causada por uma mutação que altera a estrutura dos canais de cloro nas células do músculo permitindo a ruptura da sinalização de músculo, que por sua vez causa contrações prolongadas e intensas nos músculos.

A pergunta que fica no ar é: para que fazer isso? Qual seria a finalidade de interferir tanto assim na natureza?

Não sei para você, mas, aos meus olhos, independente de conceitos de beleza, tudo isso parece um tanto cruel com os animais. E você se engana se achar que esse “brincar de natureza” é uma coisa moderna. Os seres humanos têm praticado a seleção artificial de animais com finalidade estética por quase tanto tempo quanto têm domesticado espécies. Embora pareça que as mudanças físicas para os animais inicialmente ocorreram na maior parte como uma consequência não intencional da seleção para a domesticação, não demorou muito para que os seres humanos começassem a mexer seus pauzinhos para criar algumas das espécies mais bizarras do planeta Terra.

E você, o que acha da seleção artificial? (io9)
 

Sem comentários:

Enviar um comentário