Loading...

domingo, 26 de janeiro de 2014


6 Raças de Cães Com Superpoderes

Ao contrário do que ocorre hoje em dia, os cães de antigamente costumavam ser obrigados a trabalhar para viver. Durante séculos, o melhor amigo do homem era mais um empregado do que um amigo, e famílias de cães eram valorizadas muito mais por suas capacidades de realizar tarefas difíceis do que por sua capacidade de pegar a bolinha.
Isso explica muita coisa sobre cães que você provavelmente não sabia. Por exemplo, por que salsichinhas possuem essa forma? Por que sharpeis têm tanta pele extra? Tudo isso é porque os seres humanos criaram os estranhos poderes que precisavam que esses animais tivessem para desempenhar certas funções. Confira:

6. Salsichinhas são assassinos treinados


Com seus corpos grossos e bracinhos de Tiranossauro rex, os populares salsichinhas são pouco mais que uma piada no mundo canino. Mas, acredite ou não, suas qualidades foram projetadas com um objetivo em mente. Aqueles corpos longos e narizes pontudos, combinados com sua personalidade agressiva, são perfeitos para o trabalho para o qual eles foram criados: assassinar texugos.
Sim, o cão mais zombado na história dos animais de estimação foi projetado para combate subterrâneo mortal com um dos bichos mais cruéis do mundo. Seu nome original em alemão – dachshund – significa “cão texugo”. Os torsos tubulares e patas enormes os ajudam a percorrer túneis subterrâneos, enquanto seus amplos peitos permitem uma melhor respiração debaixo da terra.
Precisa de mais razões para mostrar aos salsichinhas algum respeito? Confira um vídeo de um deles matando um rato de campo:

5. Cão leopardo de Catahoula pode subir em árvores

O cão leopardo de Catahoula vem de uma linhagem tão obscura quanto sua aparência. Alguns dizem que colonos franceses da Louisiana, nos EUA, cruzaram seus cães de trabalho com lobos vermelhos, enquanto outros afirmam que nativos americanos locais cruzaram suas raças com cães de guerra cerca de 300 anos antes.

 Seja qual for a sua origem, cães leopardo podem ser uma visão surpreendente para os não iniciados na sua aparência bizarra, com olhar de vidro rachado e pele que se parece com uma pintura de Jackson Pollock. Ainda mais surpreendente, estes cães têm uma habilidade normalmente não associada com a sua espécie: eles podem escalar árvores.

Essa capacidade não foi o resultado de criadores criativos, mas sim provavelmente surgiu naturalmente. Comida era muitas vezes escassa nos velhos tempos, por isso os cachorros eram deixados à própria sorte. Por necessidade, estes cães se tornaram incrivelmente versáteis, desenvolvendo não só a habilidade de escalada mencionada anteriormente, mas também pés com membranas para nadar e inteligência extremamente elevada.

Quando seus talentos únicos foram reconhecidos, proprietários tornaram-se tão protetores da raça que sua linhagem foi mantida segura e pura através de medidas rigorosas (e muitas vezes cruéis). Cães leopardo são uma das poucas raças domésticas capazes de caçar porcos selvagens sem ser rasgados em pedaços no processo. Mais uma vez, não o deixaremos sem provas em vídeo:

4. Sharpeis podem escapar até de javalis

<img class="aligncenter size-full wp-image-113877" alt="4" src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/01/420.jpg" width="610" height="203" />
Sejamos sinceros: raças de cães chineses podem ser muito estranhas. A lista abrange os curiosos “cães de brinquedos”, monstrinhos com língua violeta e animais minúsculos e mimados que pensam que são realeza. Esses participantes infames do concurso de cão mais feio do mundo não incluem o sharpei, porque, em vez da capacidade de nos ver como seus servos ou de ser assustadoramente horrível, esta raça é projetada especificamente para caçar javalis usando o poder da sua pele solta. UM VERDADEIRO CHOQUE!
O problema com os javalis é que eles são feras enormes com pele à prova de balas. Por outro lado, sharpeis tem em média somente 40 a 50 centímetros de altura e pesam de 20 a 30 quilos, o que no papel não é páreo para os tanques vivos que javalis são.

Para superar este inconveniente, estes cães foram criados para ter uma quantidade extrema de pele solta, que o que lhe dá a opção de simplesmente se desfazer do animal. Sempre que um sharpei é mordido, pode simplesmente chacoalhar sua pele e recuar do seu agressor. A espessa camada lhes dá a sua marca visual fofa, mas é na verdade uma arma.

Foi apenas uma questão de tempo até que alguém tivesse a ideia de deixar os cães lutarem entre si, provavelmente porque as opções de entretenimento eram escassas na antiga China rural.
Mas a razão pela qual sharpeis são uma das raças mais procuradas por famílias hoje é que eles são, por natureza, gentis e amorosos. Então, como é que alguém iria fazê-los atacar sua própria espécie? Da mesma forma que tudo foi resolvido desde a aurora do homem – drogas. Pobres criaturas afáveis.

3. Dálmatas são amigos de cavalos e não têm medo de fogo

<img class="aligncenter size-full wp-image-113876" alt="3" src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/01/319.jpg" width="610" height="203" />
Você provavelmente associa a imagem de um dálmata ao filme 101 Dálmatas. Mas, embora seja verdade que uma grande parte da sociedade ocidental provavelmente pensa que dálmatas foram inventados pela Disney, esta velha raça vem da Croácia e foi usada primeiramente para acompanhar diligências, ou seja, carruagens movida a tração animal. Isso porque eles se dão muito bem com cavalos.
A razão pela qual dálmatas são comumente conhecidos como cães dos bombeiros é que, além da sua boa relação com os cavalos que costumavam levar os primeiros bombeiros a incêndios no passado, estes cães não têm medo de fogo.

Nos dias em que os incêndios eram combatidos por pessoas em carruagens de madeira superinflamáveis, alguém percebeu que dálmatas – uma raça tão antiga que literalmente foi pintada em hieróglifos egípcios – poderiam ser usados para correr na frente e limpar o caminho.
 Eles ainda confortavam os cavalos que tinham, de fato, medo do fogo, e durante a ação também guardavam e protegiam os pertences dos bombeiros (porque ladrões são completos babacas que se aproveitam de qualquer ocasião). A invenção dos carros mudou tudo, mas dálmatas ainda acompanham caminhões de bombeiros hoje.
Um boato comum é de que estes cães foram usados para ajudar os bombeiros porque tinham problemas de audição, e assim as sirenes não os perturbavam.

Isso não é verdade, apesar de esta raça de fato ter uma longa história de surdez, que só está ficando pior porque o sucesso de 101 Dálmatas incentivou o tipo imbecil de criador que vende filhotes geneticamente deformados.

2. Bassets podem “capturar” cheiros com muita precisão

<img class="aligncenter size-full wp-image-113875" alt="2" src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/01/225.jpg" width="610" height="203" />
Bassets não são exatamente conhecidos por serem representações caninas de beleza estonteante: eles têm o corpo desajeitado em forma de salame de um salsicha e a propensão a babar de um São Bernardo. No entanto, esses animais foram criados para rastrear e caçar coelhos, o que soa absurdo para um cão com pernas muito curtas, uma vez que coelhos são ridiculamente rápidos.
Mas a verdade é exatamente o oposto: bassets são perfeitamente aptos a fazer o seu trabalho, que é encontrar coelhos, em vez de persegui-los.
Para começar, eles são cães e têm um incrível senso de olfato. Suas orelhas longas e flexíveis são um excelente complemento.

Embora sejam propensas a infecções fúngicas, elas podem “pegar e prender” cheiros a partir do chão, mantendo-os perto do nariz do cachorro.

Esta característica faz com que os cães farejem com veemência tudo com que possam se deparar. Dadas as circunstâncias, suas pernas curtas fazem muito sentido – servem para deixar a orelha do basset em contato com o solo.
Uma vez que os cães encontram seus alvos, os caçadores entram em ação, porque são eles que têm as armas.

1. Leão-da-rodésia é um cão que literalmente caça leões

<img class="aligncenter size-full wp-image-113873" alt="1" src="http://hypescience.com/wp-content/uploads/2014/01/150.jpg" width="610" height="203" />
Quando o Zimbábue ainda era chamado de Rodésia, colonizadores europeus na África encontraram uma paisagem assustadora cheia de animais perigosos, diferentes de tudo o que tinham visto antes.
 Naturalmente, eles queriam imediatamente caçar esses animais e pendurar suas cabeças nas paredes. Mas os cães que trouxeram junto com eles eram usados apenas para perseguir coisas como raposas e veados, não o suficiente para o desafio que tinham em mente.
Então, cruzaram sua coleção de cães com os cachorros semisselvagens que o povo local mantinha, e o resultado foi o Rhodesian ridgeback, também conhecido como leão-da-rodésia.
Fiel ao seu nome, estes cães foram usados para caçar leões (e não cheirando-os e apontando a sua direção geral para um caçador, mas ativamente perseguindo-os e atraindo-os para a baía, enquanto seus mestres montados a cavalo aguardavam para a matança).

Os leões-da-rodésia são imunes a picadas de insetos e são capazes de acompanhar um caçador a cavalo por 50 km. Enquanto são perfeitamente adequados para o terreno áspero das planícies africanas, também mostraram-se excelentes companheiros domésticos. Mas, se não se exercitam o suficiente, podem transformar o interior de uma casa em um cenário de guerra.

Parte de seu nome em inglês, “ridgebacks”, se refere à faixa de pele levantada que desce das costas do animal, feita de pelo que decidiu crescer na direção oposta de todos os outros folículos.
 
É apenas uma mutação, causada por colocar tantos tipos diferentes de cães na mesma sopa genética, mas qual melhor mutação para um cão caçador de leão do que um moicano? [Cracked]
 

Sem comentários:

Enviar um comentário